quinta-feira, 28 de setembro de 2006



Pílulas do Lito

ÚLTIMO ENTARDECER

Começou na sexta-feira. Um brother deu a dica por e-mail, a quem quisesse se interessar: “estou com o disco do Bacamarte e gravo cópias a pedido”. Depois de tanto tempo, como poderia deixar passar a oportunidade? Daí eu: opa, primeirão! E ele: você não, o teu já ta no carro aqui comigo. E eu: Ah, bom...

Até porque já fazia década, década e meia, de repente mais, que não o escutava. O tenho, em vinil, encaixotado, como encaixotados estão todos os meus vinis, há muito tempo, à espera do quarto dos sonhos, aquele quarto em que todos os brinquedos que colecionei e ainda coleciono ao longo da vida terão morada, local próprio e enfim: brincarei de novo com eles. O homem, sempre uma criança, só mudam os brinquedos.

Mas, sim, falava eu do Bacamarte, o som arte. Mais precisamente do disco “Depois do Fim”, lançado pelo grupo circa 1983, feliz época em que Fluminense-FM (A Maldita) dominava a mente da rapaziada, início da febre do Circo Voador na Lapa, onde aterrisara após estada rápida no Arpoador, momento em que surgia com muita força o chamado Brock. Enfim, manifestações culturais de uma geração que aprendia a viver em liberdade política, após a abertura (lenta, gradual e irrestrita) política iniciada em 1979.

Mas o Bacamarte era diferente de tudo o que se fazia. Era rock progressivo num ambiente dominado pelo rock and roll de bermudas. Guitarras e violões simplesmente geniais por Mário Neto, líder da banda, Genesis style. Sintetizadores moog, ao estilo Yes e Emerson, Lake and Palmer, conduzidos por Sérgo Vilarim. E a gente sempre esperava pela voz dela, Jane Duboc, linda, maviosa, tudo a ver com Renaissance.


E duas décadas e tanto depois, as letras. Apocalípticas, classicamente apocalípticas. Atuais, como sempre atuais. Passei o fim de semana a escutá-lo. E a relembrar muitos momentos daquela época, relembrar todas as músicas a partir do primeiro acorde, o ponto exato onde entra aquele solo de guitarra, aquela virada de bateria, o timbre da voz da Jane. Tudo era muito claro em minha mente, as lembranças vivas, foi ontem e eu nem percebi. Tudo passou num átimo de lampejo. Aquela foto do show no Circo Voador, imortalizada na contra-capa do disco, poderia ter sido batida por mim, que lá estava para testemunhar.


Mas uma coisa é certa: vivi muito de lá pra cá. O suficiente para ter certeza da pequenez da raça humana dominante, onde não há limite para o egoísmo, onde o cúmulo está distante, longe, muito longe, em local incerto e não sabido. Mas o amor resiste. E sobreviverá. E renascerá. Depois do Fim. Com vocês, Bacamarte, o som arte!

“O sangue brota no horizonte

A vida estanca na rua

As almas se trancam nos corpos

Que loucos se atiram à lua.

Crepúsculo envolve a Terra

O medo paira no ar

O mundo se envolve em trevas

Que podem nunca acabar.

Na noite repleta de trevas

Aos céus se eleva uma prece

Pedindo que a vida recomece

Num novo amanhecer.”

(Último entardecer – Mario Neto/Sergio Vilarim)

“Já se foram os quatro cavaleiros

Terminada a terrível missão

Olha o que restou sobre a Terra

Se é a Terra que olhamos agora

Agora compreendemos

Porque os que vivessem iriam chorar

Lamentando a triste sorte que o destino reservou

Se lembra das crianças que um dia vão nascer

Arranja uma pedra, nela temos que escrever

Palavras esquecidas com o tempo

Mensagem pro futuro

Passado pro presente.”

Depois do Fim – Mario Neto)

quarta-feira, 27 de setembro de 2006